quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Oriental Fotos Flores está entre os trinta na categoria cultura no Top Blog




Por enquanto estou entre os trinta
Quem ainda não votou
Conto com a colaboração
Obrigada

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

domingo, 17 de outubro de 2010

Recordando a primavera em tom lilás - Glicínias

Glicínia, em japonês, se chama Fuji.










Atualmente os caramanchões e pergolados
estão como este vídeo
que elaborei.
A floração é a março
e abril


quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Visitem as orquídeas e votem no blog do Carlos

Hoje fui visitar a linda galeria de flores do nosso amigo
Carlos que também está concorrendo ao Top Blog. Convido a todos
para visitar e votar no Blog do nosso amigo.

Gunma flower- Japan
Foto - Rose Nakamura

Linda mensagem

A sabedoria da criança
A casa e o seu lindo morador
Uma dlor maravilhosa
em seu quintal
Hoje fiz algo diferente de todos os dias. Acordei cedo como sempre as 5 horas da manhã preparei o café da manhã e não sai logo cedo para caminhar. Esperei meu filho acordar e juntos conferimos o material escolar e fui segurando  sua mãozinha até a escola. Aqui no Japão para ir para a escola japonesa os alunos tem que ir sozinhos ou em  turminha quando estão no primeiro ano. O Shinji está no segundo  e prefere ir sozinho. Adora chegar na escola antes de todo mundo para organizar seu material escolar e relaxar um pouquinho antes de começar a aula. O percurso até a escola foi muito gostoso a felicidade de vê-lo segurando em minha mão era demais. Passamos por uma casa e ele fez uma observação. Mamãe ali é a casa de Deus. Eu fiquei pensando por alguns minutos porque ele falou a frase e daí percebi. Em frente da casa japonesa havia duas mulheres conversando, a dona da casa e uma outra senhora que falava demais. A dona da casa era uma senhora sorridente, acariciava um lindo cachorro. A casa toda cercada de flores e bem arejada, porém simples. Falei Ohayo gossaimassu, Bom Dia no idioma japonês. A moradora  respondeu feliz a outra fez cara feia e continuo conversando. Perguntei para meu filho porque é a casa de Deus, ele me falou presta atenção a  dona da casa é tão alegre e a casa tão gostosa com flores e animais e a outra que não deu atenção, parece alguém sem vida no olhar. Acho que veio buscar uma gotinha de alegria, mas não aprendeu nada e assim voltará a sua  casa mas triste ainda, pois não aprendeu a lição, não percebeu que para ser feliz tem que fazer as pessoas felizes nem que seja com um Bom dia. Naquele momento percebi o grande ensinamento que uma criança pode passar para nós. Fiquei muito emocionada e prosseguimos nossa caminhada até chegar ao colégio. 
A professora abriu a grande janela da classe do Shinji e falou um radiante Bom dia. O Shinji falou com um maravilhoso sorriso - Hoje será um dia abençoado.

De volta para nossa casa notei
tantas coisas maravilhosas


revoada de pássaros pela manhã

Logo que deixei a escola  passei a ver o mundo de uma forma diferente e notar tantas coisas que ainda não tinha percebido. O cheiro dos incensos nas ruas muitas vezes me pertubava. De manhã os japoneses costumam ofertar incensos para seus antepassados e o cheiro me deixa com dores de cabeça, mas pensando na lição que o Shinji me passou nessa manhã nem liguei pois o perfume das flores superou. Ao voltar para casa o Shinji  trouxe  um terço e me deu de presente.  Um coleguinha que foi visitar a Itália  trouxe para ele me dar de presente. Ele me deu um beijo e falou- Viu mamãe falei que seria uma dia abençoado.
Obrigada meu filho!!!


Rose Nakamura 

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Agradecimentos a todos que estão ajudando a divulgar meu livro











Nosso amigo Diego
criou um lindo baner
quem quiser divulgar usando o baner só pegar o código

O código também está disponível no blog do Diego
http://ultrapassandobarreiras.blogspot.com/
http://img526.imageshack.us/img526/1553/ban2v.gif






































Os blogs abaixo















alguns fizeram  postagens
outros colocaram links
direcionando para o site BOOKESS
Deixo aqui  meus agradecimentos
e o reconhecimento  da força da amizade
de todos.













Blogs do Diego






























Sandra Fragoso


Blogs da amiga Edilene



Do amigo Luís

Luciana

Paulo

Semíramis

domingo, 10 de outubro de 2010

Faço um convite para todos os amigos - VOTEM NO ORIENTAL FOTOS FLORES

Para todos que gostam de minhas fotos
Peçam que votem no Top Blog 
No Oriental Fotos Flores


Para votar
Clik no selo para votar

  


As fotos abaixo são apenas ilustrativas de como proceder para votar





sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Florescer


camélia vermelha

Refletindo sobre esse texto
Penso que estou aprendendo a florescer. Hoje
Não olho apenas as dificuldades, mas observo tudo em minha volta em minhas caminhadas, vou fotografando,
Filmando, aprendendo pesquisando. Não encontrei conchinhas como está escrito no livro, mas reencontrei
A natureza

                                                                                        instagram Rose Nakamura

Este vídeo fiz mostrando um passeio maravilhoso

Aprendendo a Florescer


Ela era uma jovem das famílias mais ricas de Los Angeles. Prestes a se casar, seu noivo foi convocado para o Vietnã. Antes, deveria passar por um treinamento de um mês. Enamorada, ela optou por antecipar o casamento e partir com ele. 

Ao menos poderia passar o mês do treinamento próximo dele, antes de sua partida para terras tão longínquas e perigosas. Próximo à base do deserto da Califórnia onde se daria o treinamento, havia uma aldeia abandonada de índios Navajos e uma das cabanas foi especialmente preparada para receber o casal.

O primeiro dia foi de felicidade.Ele chegou cansado, queimado pelo sol de até 45 graus. Ela o ajudou a tirar a farda e deitar-se.  Foi romântico e maravilhoso. Ao final da semana estava infeliz e ao fim de dez dias estava entrando
em desespero. O marido chegava exausto do treinamento que começava às cinco horas da manhã e terminava às dez horas da noite. 

Ela era viúva de um homem vivo, sempre exaurido. Escreveu para a mãe, dizendo que não agüentava mais e perguntando se deveria abandoná-lo. Alguns dias depois, recebeu a resposta.

A velha senhora, de muito bom senso lhe enviou uma quadrinha em versos livres que dizia mais ou menos assim: "Dois homens viviam em uma cela de imunda prisão. Um deles olhava para o alto enxergava estrelas.
 

O outro, olhava para baixo e somente via lama. Abraços. Mamãe." A jovem entendeu. Ela e o marido estavam em uma cela, cada um a seu modo olhar estrela ou contemplar a lama era sua opção.Pela primeira vez, em vinte dias de vida no deserto, ela saiu para conhecer os arredores.
 

Logo adiante surpreendeu-se com a beleza de uma concha de caracol. Ela conhecia conchas da praia, mas aquelas eram diferentes, belíssimas. Quando seu marido chegou naquela noite, quase que ela nem o percebeu tão aplicada estava em separar e classificar as conchas que recolhera durante todo o dia.
 

Quando terminou o treinamento e ele foi para a guerra, ela decidiu permanecer ali mesmo.Descobrira que o deserto era um mar de belezas. De seus estudos e pesquisas resultou um livro que é considerado a obra mais completa acerca de conchas marinhas, porque o deserto da Califórnia um dia foi fundo de mar e é um um imenso depósito de fósseis e riquezas minerais.
 

Mais tarde, com o retorno do esposo do Vietnã, ela voltou a Los Angeles com a vida enriquecida por experiências salutares. Tudo porque ela aprendera a florescer onde Deus a colocara. Existem flores nos jardins bem cuidados.

Existem flores agrestes em pleno coração do árduo deserto. Existem flores perdidas pelas orlas dos caminhos enfeitando veredas anônimas. Muitas sementes manifestam sua vida a partir de um pequeno grão de terra, florescendo perdido entre pedras brutas, demonstrando que a sabedoria está em florescer onde se é plantado. Florescer, mesmo que o jardineiro sejam os ventos graves ou as águas abundantes.
 

Florescer, ainda que e as condições de calor e umidade nem sempre sejam as favoráveis...
 

(Baseado em palestra de Divaldo P. Franco Floresça onde for plantado)
 

Fonte- http://www.rivalcir.com.br/

Sonho realizado






Amigos todos conhecem o objetivo do meu livro.


Um sonho, um objetivo, um livro...


Todos os dias estão surgindo novas idéias para divulgação. Os amigos dihittianos

estão trabalhando em alguns projetos. Somos uma grande familia. 
Se você tiver uma sugestão por favor deixar aqui.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Se eu encontrasse a pequena Rose

Se eu encontrasse a pequena Rose


Está aproximando o dia das crianças e hoje eu estava sonhando acordada e imaginando como seria  um encontro comigo mesma. Assim com a vivência  de uma mulher com mais de quarenta anos e a pequena Rose com a idade aproximada  do meu filho 8 anos .
Convidaria para dar um passeio, tomar sorvetes, mostraria coisas que nunca soube  que existiam devido a sua infância humilde. Compraria algumas coisas principalmente aquela boneca que sempre sonhou e nunca conseguiu.
Contaria que a Rose conquistou muitos sonhos da infância, principalmente de ser jornalista, um sonho que parecia tão distante para quem tinha os pais analfabetos e que não podia acompanhá-la nos estudos. O que causou tantos choros, pois era uma menina estudiosa.
Mostraria a foto do meu filho um lindo garoto cheio de sonhos e sempre pronto para enfrentar a vida, o sorriso do Kauê  falaria que herdou da mãe, os olhos puxados de alguém que amamos  e vive ao nosso lado, contaria que eu encontrei o amor numa pessoa muito sensível e honesta.


Sei que com oito anos você não tinha amigos, te abraçaria e faria um desabafo continuamos assim. Aqui aonde moro tenho poucos e agora quase nem entendo o que falam, com certeza íamos  rir muito, e você falaria para mim que bom que você aprendeu a se comunicar com mímicas. Contaria que converso diariamente com muitos amigos através da internet e posso compartilhar emoções, você iria  ficar muito curiosa. Falaria que não tenho mais espaços para plantar margaridas, aquelas que sempre levava para as professoras e amiguinhos quando faziam aniversário, mas que  fiz um blog e continuo oferecendo flores para os amigos e prestando homenagens quando meu coração pede. Outra vez você não iria entender. Não faz mal apenas falaria que arrumei um jeito de continuar tendo amigos  e você dessa vez  iria entender .

Confessaria que  sinto saudades da mamãe e principalmente do papai que me mostrou a vida e me ensinou a agradecer tudo, o dia, a chuva, as flores e a amizade. Não falaria das coisas ruins, preconceitos, crise financeiras.
Você não iria entender. Na hora da despedida prometo não iria chorar apenas agradeceria a criança maravilhosa e que jamais esqueci o brilho do seu olhar e a esperança que sempre invadia seu coração para enfrentar a vida.
Obrigada!

Rose Nakamura
esperança
em cada amanhecer 

Vocês conferiram a lista?

Eu estou curiosa em saber
se mais algum amigo
foi classificado

http://www.topblog.com.br/2010/index.php?pg=Top100

ORIENTAL FOTOS FLORES está entre os 100 classificados no Top Blog – categoria CULTURA


Agradeço todos que votaram no meu blog
Os próximo passos não sei ainda informar
como será a votação

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Um esquema para quem deseja comprar o meu livro

Fiz um esquema para efetuar a compra do meu livro
As imagens são da minha página da BOOKESS
Eu  trabalhei com photoscape
para melhor ilustrar.

Entre no site da BOOKESS




Abaixo o esquema com fotos ilustrativas 
Para entrar no site clik na palavra bookess

para efetuar a venda
Preencha os dados e finalize a compra


Para quem desejar divulgar


http://www.bookess.com/read/4940-caminhada-as-duas-faces-de-uma-vida-no-japao/

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Um objetivo, um sonho, um livro – A verdadeira história do MEU LIVRO

Um objetivo, um sonho, um livro –  A verdadeira história do MEU LIVRO


Como foi escrever o meu livro

Eu escrevi o livro Caminhada – duas faces de uma vida no Japão no período que me afastei das fábricas, com a crise econômica que atingiu o Japão e não era mais fácil conseguir emprego aqui.
Fiquei triste pois vim para  trabalhar e logo voltar para o Brasil. Assim como dá primeira vez que trabalhei mais de dezessete horas por dia e consegui dinheiro para minha cirurgia e buscar meu filho  que estava no Brasil para que nossa pequena família ficasse unidas aqui.
Para uma pessoa que já esta acostumada a trabalhar aqui fiquei muito abalada de não existir mas vagas na ocasião mas depois  pensei o quanto meu filhinho de 8 anos precisa de meu apoio na vida escolar.

As dificuldades de meu filho

O horário escolar é das 8 às 15 horas e os aluninhos voltam para casa cheio de tarefas para realizar que precisam ser  acompanhados pelos pais. Precisei  ficar em casa também para dar um apoio maior para meu marido que trabalha muitas horas por dias em trabalho pesado, voltando para casa com uma imensa canseira declarada em seus olhos.
Escrever para mim foi uma terapia, no inicio foi muito difícil trazer todas aquelas recordações, dos preconceitos e  das dificuldades enfrentadas. Relembrar foi como estivesse sentindo tudo novamente, mas foi importante para mim colocar tudo no papel e poder alertar as futuras gerações que vierem para cá, para atentos  procurar ser   bem assessorados. É a minha história outros descendentes tiveram outras histórias, mas sorte, mas oportunidades ou talvez não.

Porque escrevi o livro

Eu preciso voltar logo para o meu país. O meu filhinho Shinji Nakamura é um vencedor, depois de passar por tantos preconceitos por ser estrangeiro, sofre calado, enfrentou tudo quieto e conseguiu o respeito, na escola e na academia onde prática Karatê. Com sua força de vontade conseguiu até medalha de ouro vencendo um campeonato.
Todos  os dias acorda as 6 horas da manhã e com um sorriso no rosto caminha vinte minutos para chegar à escola, volta cheio de lições que não consigo mais acompanhar são kanjis e lições de matemática. Eu  fico  ao seu lado e procuro ajudar principalmente na matemática pois kanjis não sei Já tentei estudar muitas vezes mas escrevo e falo o básico. Mesmo ensinando a matemática sinto que às vezes atrapalho o processo de ensino,  aqui existe uma uma outra maneira de montar as operações de matemática.
Não tenho condições para colocá-lo na escola brasileira pois o preço é elevado e é longe de minha casa em outra cidade.  
Em agosto teve férias de verão aqui no Japão. Próximo de voltar às aulas notei que o Shinji estava com um tique nervoso, arrancava os cabelinhos. Notei em seus lençóis no sofá de minha sala. E fiquei impressionada quis saber por que daquele ato e saímos para conversar depois de algum tempo ele falou do medo que tinha de enfrentar os estudos, das dificuldades do aprendizado. E vi o quanto o meu menino está sofrendo.
Na semana que iria voltar às aulas surgiu uma dor que até agora os médicos não conseguiram diagnosticar o que houve para impedir um esportista como meu filho
de andar, para todos que me acompanham fiz diversas postagens sobre o assunto, penso as vezes até ser motivos psicológico.Uma forma que o corpo fez para gritar e pedir pare eu Não Vou para a escola. Meu filho passou por muitas dores passou a usar cadeiras de rodas e muletas. Ontem depois de pouco mais de um mês foi liberado para voltar aos esportes.
Aqui não tenho apoio de psicólogos e nem saberia conversar com um deles. Sofremos quietos para meu filho deve ser uma grande carga de emoções.
Então deixo claro aqui o meu objetivo com a venda de meu livro é abreviar meu tempo e volta logo para o Brasil. Lá tenho meu cantinho e um apartamento financiado pela caixa econômica que daqui 2 anos termino de pagar porem se eu conseguir uma boa venda do meu livro, posso voltar antes. 
OJapão é lindo, mas nada como o nosso país  para educar nossos filhos conseguir acompanhá-lo em paz saber e entende o que está acontecendo com a pessoa mais preciosa para nós. Lá também tenho minha única irmã que agora está com sessenta anos e enfrentado problemas de sáude e eu sinto tanta saudades e preciso ajudá-la. Quero abreviar meu tempo aqui.

A diagramação, revisão de texto e capa

Eu estou aqui no Japão há sete anos e afastada do nosso idioma. Não teria condições de escrever bem o idioma português, contratei serviços da Bookess, uma revisora de texto se encarregou de arrumar e corrigir os erros de português. Gostaria de um trabalho bem elaborado então contratei  um diagramador e um capista pois não conseguia acertar em fazer a capa. O meu sonho era que fosse uma das minhas fotos mas não foi possível. O nome dos profissionais estão escritos na contra capa de meu livro.
A Bookess tem seus serviços gratuitos  mas eu contratei os serviços, pois precisava de ajuda . Então para mim esse livro ficou caro devido os serviços contratados, que fizeram com muita eficiência.  Porém mesmo que o custo foi alto para mim eu resolvi  hoje  pela manhã entrar  em  minha conta na Bookess e tive acesso a minha conta e verifiquei se  havia algum pedido como ninguém havia feito compras alterei o valor
Para ser mais acessível para todos.

Peço que COMPREM  e que me ajudem a DIVULGAR o livro
Quero voltar para o Brasil.

Eu agradeço todas as pessoas que estão me ajudando a divulgar
No facebook e a grande aceitação no Orkut que me ajudam repassar para os amigos. Os  dihitt. Os sites e blogs alguns marcam pequenas entrevistas. Outros me oferecem espaço para links. Estou agradecida e peço quem puder nos ajudar – Eu e o Shinji ficaremos felizes.  
Não sou uma escritora conhecida não tenho dinheiro para fazer publicidade então peço
Ajuda dos amigos para divulgar e comprar.

Na bookes
Existem duas formas de comprar o livro
Impresso ou versão digital.

Click na palavra Bookes e entra no site para comprar


Para quem  puder me ajudar a divulga o link é esse

Ou poderá usar o link desta  minha postagem
Mostrando porque preciso de ajuda


Obrigada pelo carinho
Rose Nakamura

Visite- Mira Fotos

Seguidores

Faça parte deste jardim