quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Quero saber


Quero saber
Pablo Neruda
Foto- Rose Nakamura


Quero saber se você vem comigo
a não andar e não falar,
quero saber se ao fim alcançaremos
a incomunicação; por fim
ir com alguém a ver o ar puro,
a luz listrada do mar de cada dia
ou um objeto terrestre
e não ter nada que trocar
por fim, não introduzir mercadorias
como o faziam os colonizadores
trocando baralhinhos por silêncio.
Pago eu aqui por teu silêncio.
De acordo, eu te dou o meu
com uma condição: não nos compreender

9 comentários:

  1. Foto muito linda você sabe das coisas, e o Pablo Neruda seu nome é a própri explicação.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  2. Saudações!
    Amiga Rose,
    Uma Poesia cheia de encantos, ideias, permutas e vidas!
    Parabéns pelo Lindo Post!
    Abraços!
    LISON.

    ResponderExcluir
  3. Linda foto e lindo poema, uma bela composição. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Amada Rose como sempre em forma em suas fotos, belo poema.
    A paz

    ResponderExcluir
  5. Olha eu por aki!!!
    Já algum tempo deveria ter vindo, mas...... tudo no momento certo. E hj suas flores foram bálsamo pra mim.
    Obrigada!!!
    Beijos...
    Ka

    ResponderExcluir
  6. Já disse e vou repetir
    AMIGA vc é muito boa noque faz
    ARRAZOU...PABLO NERUDA É COVARDIA AMIGA
    AMO MUITOOOOOOOOOOO ME TRANSPORTO ATRAVES DOS SEUS TRABALHOS.
    CONTINUO TORCENDO POR VC AMIGA SEMPREEEEE
    BJS MIL EM VC E NO FILHOTE TB.

    ResponderExcluir
  7. Sábio Neruda.......
    Muitas vezes o silencio expressa mais sentimentos que as palavras, pois as palavras podem ferir ,mas não o silencio.

    ResponderExcluir
  8. Obrigada pelos comentários
    é que o cenário de outono é maravilhoso aqui no Japão
    Rose

    ResponderExcluir
  9. "a luz listrada do mar de cada dia"...

    E como é listrada!! legal porque senti a maresia agora, e tenho escrito muito sobre o mar...o mar e o mar toma, mas isso tudo sem avisar e sem cobrar nada...esse é um poema sobra a gratuidade quase perdida por nós, ou não vista há muito tempo, como uma tia à qual sempre fomos agarrados quando crianças, e agora nos afastamos dela, sabendo q todo mundo fala dela e q ainda está em algum lugar no tempo-espaço...

    Mas onde mesmo?? Sabemos, mesmo, onde estamos?? Será que não estamos à deriva??

    ResponderExcluir

Não estamos aceitando comentários anônimos

Visite- Mira Fotos

Seguidores

Faça parte deste jardim